Lágrimas... Meu mundo.




 E como se tudo fosse por água a baixo mais uma vez,
ela soltou as dores guardadas de vários momentos.
Não tinha como parar. Era impossível. Era inevitável.
Era a alma dela que saía e voltava a cada soluço que dava.
O cansaço começou a aparecer e tudo a sua volta eram
minuciosas lágrimas de dor.
Não encheu o mar com suas lágrimas amargas,
mas encharcou o travesseiro e colocou a cabeça em cima
para apreciar tudo aquilo que já tinha saído.
Ela parou por um momento e sorriu...
Tentou sorrir e então tudo veio mais uma vez pra ela.
Como se tudo tivesse entrado de novo.
Ela absorveu mais uma vez as dores e doeu...
Doeu duas vezes mais do que antes.
E assim, suas lágrimas foram mais fortes.
Mais dolorosas. Mais amargas.
Nada e nem ninguém entendia.
Tudo aquilo era só ela que podia sentir.
Tudo a fez mal naquele momento.
Mas não restava nada.
Tudo que ocorrera já não tinha mais volta.
E por isso prender toda aquela dor já não era tão mais importante.
E o que importava pra ela naquele momento era aliviar todo aquele ódio.
Era dissipar toda aquela dor.
E à cada vez que a dor saía, era mais uma poeira de cansaço em seus olhos.
E assim, ela desejou morrer de uma vez.
Pois nem descansar iria fazer ela melhorar.
A morte seria a melhor maneira de sorrir novamente.
E assim ela foi....
Foi pra onde ela sempre desejou.

Um mundo onde suas lágrimas viravam felicidade.